sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Como ser um estudante fora de casa

Bom dia fifoqueiros!

Hoje começa uma nova etapa na minha vida, o início de um novo projeto e a concretização de um sonho. Querem saber do que estou a falar? Ser youtuber!



Como é que é ser um estudante deslocado?
A verdade é que eu quando vim para Évora não conhecia nada, não conhecia ninguém, não fazia a mínima ideia para onde vinha. No entanto, antes de eu vir para a Universidade de Évora fiz imensas pesquisas, tais como:

  • Taxa de empregabilidade do meu curso (Gestão);
  • Se a Universidade era conhecida ou não;
  • Se o curso em si era conceituado;
  • Qual a média de entrada (muito, muito importante);
  • Quais as provas de ingresso necessárias;
Depois de todas estas pesquisas decidi inscrever-me e arriscar a entrar neste curso e nesta Universidade. Quando soube que vinha para Évora e que tinha entrado fiquei super, hiper, mega radiante. Não fazem mesmo noção.

No primeiro dia que vim a esta cidade tive de vir acompanhada, para que não me sentisse tão desorientada e tão deslocada assim, com a minha mãe. Demoramos horas e horas na matrícula, mas uma coisa boa foi que a Associação de Estudantes disponibilizou-me um enorme conjunto de folhas com diversos contactos de pessoas que estavam a alugar casa. Lembro-me, como se fosse ontem, que ligamos para imensas pessoas e quase todas já tinham os quartos ocupados. Tive poucas alternativas de escolha, porém, foi devido à hora que era porque quando eu vim fazer a matrícula já era tarde (tipo 12h30).
Fiquei numa casa que gostei, achei bem arranjada e que tinha as condições necessárias para eu viver e quanto ao quarto tinha as condições que eu precisava, como por exemplo uma secretária.

Hoje, encontro-me no quarto ano do curso, e já mudei de casa uma meia dúzia de vezes, no entanto, finalmente encontrei a casa ideal - aquela onde me sinto mesmo em casa, sabem?
- posteriormente farei um post sobre algumas dicas de como nos sentirmos em casa quando não estamos em casa.

Beijinhos!